Direito em 2019: sete tendências

Janeiro é naturalmente marcado por muitas expectativas. Novo ano, novas oportunidades, o recomeço! Em uma realidade exponencial o tema ganha ainda mais relevância. Tente lembrar como sua vida começou em janeiro de 2018 e como foi o desfecho dos acontecimentos em dezembro. Estamos seguindo acelerados rumo ao futuro…

Com o intuito de contribuir com sua formação de planos para 2019, seguem abaixo 7 tendências para o novo ano (espero que ajude e desejo um excelente ano para todos!):

1. Lei de Dados

2019 será o ano da Lei de Dados no Brasil. No ano de 2018 tivemos movimentações, especialmente em decorrência do GDPR e de alguns vazamentos envolvendo empresas relevantes. No entanto, nada se compara ao que vai ocorrer em 2019. Quatro aspectos justificam a afirmação:

(i) ampliação da cultura social de proteção de dados (a questão foi tema da redação do Enem e vai seguir se espalhando pelas redes sociais);

(ii) Ministério Público, Procons, Associações e outras entidades vão começar a utilizar os fundamentos da proteção de dados nos seus pleitos (mesmo antes da Lei entrar em vigor). A ampliação do número de eventos, cursos, obras e artigos publicados estimula a fiscalização da questão. Já observamos isso no ano de 2019 em alguns clientes do Lima ≡ Feigelson Advogados;

(iii) Empresas vão se adequar à Lei (criar áreas, contratar consultorias, estabelecer processo e implementar soluções). Absolutamente nenhuma empresa possuía orçamento em 2018. Em 2019 muitas empresas já entraram com a previsão de investir e se adequar (Preparar a casa em 2019 para 2020); e

(iv) Diante da Medida Provisória de dezembro de 2018, a Autoridade de Dados nasceu: Os movimentos de estruturação vão ocorrer em 2019.

2. Muitos acordos

Ainda não completamos a primeira quinzena do ano, mas no Sem Processo já sentimos que 2019 vai ser ainda mais acelerado. A plataforma de acordos exclusiva para advogados é nitidamente influenciada pelo network effect. Ou seja, quanto mais empresas usam a plataforma no modo contencioso (em que as empresas buscam os advogados para casos já judicializados), quanto mais advogados usam a plataforma no modo pré-contencioso (em que os advogados buscam as empresas antes de proporem novas ações), mais eficiente a plataforma se torna.

Centenas de players de diferentes setores já aderiram a plataforma e nosso crescimento vem ocorrendo em progressões geométricas. Em 2019, muitas empresas já entraram com POCs que demonstraram os resultados na redução de custo e com orçamentos aprovados (tanto para contratar o Sem Processo, como também para celebrar acordos). Além disso, grandes cases envolvendo a redução de base e a obtenção de expressiva economia se concretizaram no ano de 2018, o que certamente afeta e influencia novas empresas (os leads orgânicos crescem em uma proporção exponencial).

3. Novas verticais de Lawtechs

2019 será o ano em que algumas verticais de Lawtechs serão consolidadas pelos players que conseguiram demonstrar valor, entregaram produto e operaram de maneira satisfatória em 2018. Desta forma, vamos parar de observar a proliferação de novos entrantes em algumas verticais.

Por outro lado, os desafios apresentados por Departamentos Jurídicos, Escritórios e Judiciário (foram muitos eventos e diálogos no ano de 2018), oportunizam a aparição de muitas outras verticais. Além disso, o sucesso da primeira geração de Lawtechs estimula investimentos, oportuniza mentorias mais preparadas, e a contratação de profissionais com experiência no tema.

A AB2L está preparada para viver e estimular o novo momento do mercado.

4. Visual Law

Os documentos jurídicos já estão sendo repensados. 2019 vai ser o ano em que as tendências relacionadas a nova geração de documentos interativos e focados no usuário vai se expandir. Vídeos, infográficos, story mapping, gamification, que oportunizam a gestão de acesso e mais efetividade para a informação jurídica de acordo com cada perfil de destinatário são uma tendência para 2019.

O Alexandre Zavaglia estudou muito o tema em 2018 e a Future Law está lançando o primeiro curso de Visual Law no Brasil (fevereiro de 2019).

5. Ensino jurídico com grandes alterações

O ensino jurídico está sendo revolucionado. As iniciativas vanguardistas de 2018 vão passar a ser absorvidas pelas diferentes instituições em 2019. Não é fácil mudar um sistema que conta com mais de 1.500 faculdades de Direito espalhadas por um país de dimensões continentais. Mas a revolução já começou! Ciência de Dados, programação para advogados, dentre outros temas, já estão previstos nas grades curriculares de alguns cursos de Direito em 2019.

6. Blockchain

A espuma do Blockchain passou, em 2019 começaremos a observar grandes implementações. Tema que vai alterar diferentes setores e impor reflexões profundas a respeito de como regular as novas dinâmicas.

7. Sandbox

O termo “Sandbox” vai começar a se tornar conhecido em 2019. Deixei a questão como último item de tendências para 2019 em decorrência da dificuldade para resumir a sua importância. Trata-se da minha Tese de Doutorado e um dos temas que mais tenho refletido, estudado e produzido nos últimos meses. O ponto é: Sandbox vai alterar a forma como entendemos a regulação. O tema vem crescendo exponencialmente no mundo. 2019 será o ano do Brasil!

Por Bruno Feigelson

Comentários

Comentários