EXCHANGE SUL-COREANA PEDE FALÊNCIA APÓS SEGUNDO ATAQUE CIBERNÉTICO

closeup photo of hacker using computer internet virus and typing data steal information in order to request ransom bitcoin gold.

No dia 19 de dezembro deste ano, a empresa sul-coreana Youbit de câmbio de bitcoin anunciou a apresentação de pedido de falência após ataque hacker que a levou à perda de 17% do total de seus ativos.

É o segundo ataque cibernético que a Youbit sofre em menos de oito meses. A empresa já havia sido atacada anteriormente em abril deste ano, ocasião em que se constatou o roubo de aproximadamente quatro mil bitcoins. O incidente em questão, por sua vez, só não assumiu maiores proporções, pois o restante dos ativos da companhia se encontrava protegido em uma cold wallet, local de armazenamento sem conexão com a internet[1].

A Youbit informou em nota oficial que seus clientes estão autorizados a levantar até 75% da quantia depositada em suas carteiras. O resto, todavia, será devolvido apenas após o final do processo de falência[2].

Segundo investigações da agência de espionagem sul-coreana, há fortes indícios de que ambos os ataques sejam de autoria do grupo de hackers denominado Lazarus, que atua sob o comando do governo norte-coreano. Não é a primeira vez, contudo, que a Coreia do Norte envolve-se em ataques cibernéticos, já tendo sido acusada pelos Estados Unidos de ser a responsável pelo recente incidente digital que utilizou o vírus WannaCry para infectar mais de 300 mil computadores em 150 países diferentes[3], causando danos de bilhões de dólares[4].

Com o anúncio de falência da empresa sul-coreana, o bitcoin enfrentou uma queda imediata de 15% de seu valor. Atualmente, contudo, a situação parece ser ainda mais drástica. Após quase alcançar o valor recorde de US$ vinte mil na semana passada, a moeda virtual apresenta hoje uma desvalorização de mais de 30%, o que representa a maior queda no valor do bitcoin desde 2013[5].

Os ataques, além de levantarem grande questionamento acerca da segurança nas transações de moedas virtuais, incentivam a criação de regulação das criptomoedas, cada vez mais utilizadas no contexto atual[6].

[1] EL PAÍS. Bitcoin despenca 15% depois de um grande roubo virtual da criptomoeda. El País. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2017/12/20/internacional/1513760990_056377.html – Acessado em 26 de dez. de 2017.

[2] UMPIERES, Rodrigo Tolotti. Corretora de Bitcoin sul-coreana declara falência após ataque hacker. Infomoney Disponível em: http://www.infomoney.com.br/mercados/bitcoin/noticia/7150634/corretora-bitcoin-sul-coreana-declara-falencia-apos-ataque-hacker – Acessado em 26 de dez. de 2017.

[3] BBC. Cyber-attack: US and UK blame North Korea for WannaCry. Disponível em: http://www.bbc.com/news/world-us-canada-42407488 – Acessado em 26 de dez. de 2017.

[4] REUTERS. EUA culpam Coreia do Norte por ataque cibernético WannaCry. G1. Disponível em: https://g1.globo.com/economia/tecnologia/noticia/eua-culpam-coreia-do-norte-por-ataque-cibernetico-wannacry.ghtml – Acessado em 26 de dez. de 2017.

[5] DONGEL, Luis. Bitcoin perde mais de 30% do valor na pior semana desde 2013. El País. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2017/12/22/economia/1513958988_458064.html – Acessado em 26 de dez. de 2017.

[6] FEIGELSON, Bruno. Devemos o regular o Bitcoin? LEX MACHINÆ. Disponível em: http://www.lexmachinae.com/2017/12/17/devemos-regular-o-bitcoin/ – Acesso em 24 de dez. 2017.

Fonte http://www.lexmachinae.com

Por João Aranha

Comentários

Comentários