Exclusivo: startup que monitora ações do Congresso recebe aporte milionário

A Sigalei usa algoritmos e inteligência artificial para acompanhar mudanças regulatórias e sociais em diversos setores. Startup recebeu aporte de R$ 1,3 milhão liderado pelo GV Angels

Não é fácil navegar por um mar de mudanças — especialmente se elas estão espalhadas por diários oficiais e discursos de senadores e deputados. A Sigalei criou algoritmos inteligência artificial próprios para acompanhar a mudança das leis em diversos setores. Essa proposta rendeu um aporte milionário.

O investimento de R$ 1,3 milhão, primeira captação externa da Sigalei, foi liderado pela GV Angels e completado por Allievo Capital e SL Anjos. A startup irá usar os recursos para dar agilidade e profundidade ao desenvolvimento de seus robôs que acompanham novas regulações e a reação da sociedade a elas.

Ideia de negócio: robôs e regulações
A Sigalei foi criada pelos irmãos e engenheiros Frederico Oliveira e Danilo Oliveira. Em um concurso do Ministério das Comunicações, eles lançaram a ideia de permitir que os cidadãos acompanhassem decisões e participassem mais das políticas públicas por meio de um aplicativo de transparência do Governo Federal.

Batizada de Sigalei, a ideia ganhou o concurso e um prêmio de R$ 64 mil. Os irmãos usaram o capital para continuar desenvolvendo o aplicativo e colocá-lo nas lojas. A análise dos usuários fez o modelo de negócio pivotar de B2C (consumidores finais) para B2B (empresas). Muitos que usavam o Sigalei eram funcionários na área de relações governamentais. “Esses profissionais faziam seu trabalho de acompanhar regulações manualmente, usando planilhas de Excel”, diz Frederico. Foi então que o cientístico político Ivan Ervolino também se tornou sócio do negócio.

A Sigalei surgiu como empresa em maio de 2016. A startup tem algoritmos próprios para monitorar ações no Congresso e alimentar seu aplicativo com mudanças regulatórias em diversos setores. As informações são passadas por uma inteligência artificial, que consolida em um painel cenários para as empresas, dependendo de sua atuação e palavras-chave buscadas.

Por exemplo, uma empresa de cosméticos pode receber alertas quando regulações sobre testes em animais tiverem sido atualizadas. A Sigalei concorre com consultorias políticas e startups que lidam com curadoria de mídia e de regulações, como a Jota.

O negócio começou a ganhar empresas que queriam acompanhar transformações relevantes para seus negócios. Com o produto validado, a startup cresceu em 2017. No ano seguinte, a Sigalei expandiu sua atuação para atender ainda mais a necessidade de seus clientes de gerir riscos políticos e regulatórios.

Além de acompanhar a esfera legislativa, a startup passou a olhar para as esferas executiva, judiciária e até mesmo pública. “Olhamos o antes e o depois das leis, computando todos os fatores que pressionam o poder legislativo”, diz Frederico. A Sigalei monitora notícias, comentários de consumidores e tuítes de governantes, por exemplo.

A startup atende 70 clientes, como a gigante farmacêutica Bayer e o Sebrae. O negócio cobra uma assinatura mensal de seu software. “Nossa solução não tira a importância dos profissionais humanos de relações governamentais ou tributação. Se a empresa não tem conhecimento dessas áreas, é como multiplicar um grande conhecimento por zero: o resultado continua sendo zero”, diz Frederico.

Estratégia de crescimento: aporte e melhoria tecnológica
Esta é a primeira captação da Sigalei, tirando o prêmio de R$ 64 mil logo no começo do negócio. A empresa é lucrativa desde seu primeiro ano de atuação. O aporte semente de R$ 1,3 milhão será usado para construir o produto de coleta de informações com mais profundidade e agilidade.

FONTE: https://revistapegn.globo.com/Startups/noticia/2020/04/exclusivo-startup-que-monitora-acoes-do-congresso-recebe-aporte-milionario.html

Comentários

Comentários